AVC: Conheça as sequelas mais frequentes decorrentes do derrame cerebral

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma preocupação crescente para os médicos em todo o mundo, devido às suas graves consequências para a qualidade de vida e, em casos extremos, até mesmo para a mortalidade dos pacientes.

O AVC é causado pela interrupção do fluxo sanguíneo no cérebro, seja por obstrução ou rompimento dos vasos sanguíneos, resultando em privação de oxigênio e morte do tecido cerebral.

Existem dois tipos de AVC: o isquêmico, causado por bloqueio de um vaso sanguíneo, e o hemorrágico, que ocorre quando há uma hemorragia no cérebro devido a ruptura de um vaso sanguíneo.

O AVC isquêmico, apesar de menos letal, geralmente deixa mais sequelas do que o hemorrágico, pois a falta de oxigenação resultante pode afetar áreas críticas do cérebro. Em contrapartida, o AVC hemorrágico, embora mais perigoso, tende a causar menos sequelas, uma vez que o sangue que invade o cérebro é geralmente reabsorvido pelo corpo.

As sequelas do AVC podem ser motoras, neurológicas ou emocionais. As sequelas motoras normalmente envolvem a paralisia de um lado do corpo. As sequelas neurológicas incluem perda de memória, dificuldades de expressão, fala, alimentação, deglutição, além de desequilíbrio e distúrbios espaciais. As sequelas emocionais incluem depressão, impaciência, dificuldades nos relacionamentos e isolamento social.

Para prevenir o AVC, é importante adotar hábitos saudáveis, como fazer atividades físicas regularmente, manter uma dieta equilibrada, controlar o estresse e evitar o consumo excessivo de álcool e tabaco. É fundamental estar atento aos sinais de alerta, como dor de cabeça intensa, fraqueza muscular, dificuldades de fala e visão, e buscar atendimento médico imediatamente em caso de suspeita de AVC.