Chá de mentrasto: para que serve, como preparar e como tomar

O mentrasto, conhecido cientificamente como Ageratum conyzoides L., é uma planta medicinal amplamente utilizada no tratamento de diversas condições, como dores articulares, especialmente relacionadas à artrose, cólicas menstruais, feridas e infecção urinária. Isso se deve à presença de substâncias em sua composição, como flavonoides, alcaloides, taninos, cumarinas e óleos essenciais, que conferem propriedades anti-reumáticas, anti-inflamatórias e cicatrizantes.

As partes normalmente utilizadas dessa planta, também conhecida como catinga de bode e picão-roxo, são as folhas e sementes. A partir delas, são extraídas as substâncias com propriedades medicinais para a preparação de chás ou cápsulas.

O mentrasto pode ser adquirido em lojas de produtos naturais, farmácias de manipulação ou através do Programa Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) do SUS. No entanto, é importante ressaltar que seu uso deve ser realizado sob orientação médica ou de um fitoterapeuta, pois altas doses podem ser tóxicas para o fígado e aumentar a pressão arterial.

Indicações do mentrasto:

  • Dor muscular
  • Artrose
  • Artrite
  • Reumatismo
  • Dor de cabeça
  • Cólicas menstruais
  • Infecção urinária
  • Gases intestinais
  • Diarreia
  • Disenteria
  • Contusões
  • Febre
  • Gripe
  • Pneumonia
  • Feridas ou úlceras na pele
  • Queimaduras
  • O mentrasto possui propriedades analgésicas, anti-inflamatórias, anti-reumáticas, cicatrizantes, febrífugas, carminativas, tônicas e antidiarreicas, devido aos óleos essenciais presentes em sua composição, como cromeno e precoceno, cumarinas como benzopirona, alcaloides como pirrolizidínico, desidro pirrolizidínico e licopisamina, além de flavonoides e taninos.

    Apesar dos diversos benefícios, o mentrasto não deve substituir o tratamento médico com medicamentos e não deve ser utilizado sem orientação de um profissional da saúde.

    Formas de uso do mentrasto:

    Chá de mentrasto: pode ser utilizado no tratamento da gripe, alívio das cólicas menstruais e auxílio no tratamento da artrose. Para preparar o chá, utilize 5g de folhas secas de mentrasto em 500mL de água. Ferva as folhas junto com a água, deixe repousar, coe e beba uma xícara de duas a três vezes por dia, durante 7 a 10 dias. Compressas com o chá de mentrasto também podem ser aplicadas nas áreas afetadas por reumatismo, contusões, artrite, dores musculares e artrose, até três vezes ao dia.

    Cápsulas de mentrasto: o mentrasto também pode ser encontrado em forma de cápsulas ou pó, disponíveis em lojas de produtos naturais e farmácias de manipulação. A dosagem pode variar de acordo com a quantidade de mentrasto presente nas cápsulas, por isso é importante seguir a orientação médica ou de um profissional especializado em fitoterapia.

    Efeitos colaterais possíveis:
    Os efeitos colaterais do mentrasto são mais comuns quando utilizado em doses superiores às recomendadas ou por períodos prolongados, além de poder ocorrer em casos de hipersensibilidade individual. Podem incluir aumento da pressão arterial, crises hipertensivas e danos ao fígado.

    Restrições de uso:
    O mentrasto não deve ser utilizado por crianças, mulheres grávidas ou lactantes, pessoas com diabetes, pressão alta ou problemas no fígado. Além disso, não é recomendado para aqueles que fazem uso de medicamentos anticoagulantes ou possuem alergia ao mentrasto.

    Diferenças entre mentrasto e erva-de-São-João:
    Embora o mentrasto seja popularmente conhecido como erva-de-São-João, essas plantas medicinais são diferentes e apresentam propriedades medicinais distintas.

    O mentrasto pertence à espécie Ageratum conyzoides L., enquanto a erva-de-São-João, também chamada de hipericão ou hipérico, pertence à espécie Hypericum perforatum. A erva-de-São-João é comumente indicada para ajudar no combate à depressão leve a moderada, ansiedade, tensão muscular e sintomas da TPM.